Exportações para a indústria de componentes automóvel alcança recorde em 2017

2018-02-23

O setor de fabrico de componentes para a indústria automóvel alcançou um excelente desempenho em 2017, mais especificamente um recorde de exportações diretas no valor de 7,7 mil milhões de euros.

O valor das exportações do setor tem vindo a crescer sustentadamente ao longo da última década, registando um aumento de 51 porcento quando comparados os valores de exportação de 2017 com 2010.

O valor das exportações do setor representou 14 porcento do total das exportações portuguesas de bens transacionáveis. As exportações de componentes são 90 porcento dirigidas para países europeus, sendo Espanha o primeiro destino das exportações, seguido de: Alemanha, França, Reino Unido e Itália, por esta ordem de importância. De realçar os significativos aumentos de exportações registados de 20 porcento e 10 porcento respetivamente para França e Reino Unido. Os restantes 10 porcento dos componentes exportados foram dirigidos a países como: África do Sul, Brasil, China, EUA, Marrocos, México, Tunísia, Turquia, entre outros.

A acrescer ao valor das exportações diretas, há as que são feitas por via indireta, ou seja, os componentes que são vendidos aos diversos construtores automóvel a operar em Portugal, que os incorporam nas viaturas que posteriormente são exportadas. Por esta via devemos acrescer mais 1,2 mil milhões de euros de exportações provenientes do sector de componentes.

Este crescimento do valor das exportações, muito acima da taxa de crescimento da indústria automóvel europeia, demonstra um aumento de penetração e ganho de cota de mercado dos componentes portugueses.

Globalmente existem cerca de 220 empresas em Portugal que dedicam parte ou a totalidade da sua produção ao fornecimento da indústria automóvel, empregando diretamente mais de 47 mil pessoas, ou seja, mais de sete porcento do total do emprego da indústria transformadora.

 

Fonte: AFIA/AICEP

Ver notícias

Serviços AHK

 premium partner